quarta-feira, 2 de janeiro de 2008

Moi et le Cinéma

Todos nós temos períodos menos bons na nossa vida. Acho que este é um dos menos bons da minha vida. Enquanto os outros festejam o consumismo e a ilusão de mudança dos próximos 365 dias, estou numa fase de introversão e ponderação. Este período festivo é por acumulação de experiências anteriores similares um período de imensa tristeza e vazio provocados por causa que nunca posso controlar. Muitas das coisas más da vida aconteceram no mês de Dezembro. Em cada ano tento me convencer que é apenas um preconceito meu, que se não pensar nisso este ano será melhor, terei enfim umas festas de facto felizes... mas acaba por acontecer algo e nunca serem...

Para me abstrair da realidade que é a minha vida, recorro muitas vezes ao cinema, permitindo me abstrair de mim e da minha vida e durante aqueles minutos ter outra luta, outra realidade, outros pontos de vista que não os meus.

Por isso, estes últimos tempos, tenho visto muitos filmes.

Recentemente, assisti a na nossa Tv, pois é pois é nem só de novelas é feita a nossa tv nacional.:
Guerra dos Mundos, influenciada pela presença do deslumbrante Justin Chatwin, mas quero dizer que o filme é mais do que isso... não deixem de ver, vale bem a pena;

Herbie, prego a fundo ,com a presença da linda mas degradante Lindsey Lohan


ils

Filme Francês, rodado na Roménia. Baseado em fatos reais, um dos episódios mais bárbaros já registrados na história da Roménia. Em 2002, a Roménia inteira ficou chocada com uma bizarra notícia relacionada com diversos ataques mortais onde o choque maior está na identidade dos autores. Afinal de contas: Quem são eles?
Uma dupla de novos directores franceses, David Moreau e Xavier Palud, resolveu contar essa história, focando as horas de pesadelo passadas por um casal, numa madrugada, na sua própria casa, no meio duma floresta romena. O filme é simples, directo, original, muito tenso e assustador, sem o gore extremo. O epílogo é simplesmente apocalíptico e perturbador.
Mas o destaque de todo o filme vai mesmo para os vilões do filme e o seu final. Mórbido, sujo, feio e negativo são apenas alguns adjectivos que podem personificar o final de
Ils. Tudo graças à sábia decisão da dupla de directores em não mostrarem os vilões do filme até os minutos finais. Assim, passamos todo o filme desconfortáveis por não saber com quem ou o que aquele casal está a lidar. E preparem-se para a revelação de quem são Ils (Eles, em francês), porque dificilmente outro filme conseguirá revelar de forma tão soberba a identidade de seus vilões.

Ne le dis a personne

Um crime brutal. Um homem acusado. Mas nada é o que parece

Naquele que seria o dia de aniversário do seu casamento, Alex Beck (Francois Cluzet) recebe um e-mail com um link para uma câmara de vigilância na rua que lhe mostra uma imagem em tempo real da sua mulher Margot (Marie-Josée Croze), morta há 8 anos. Na altura as suspeitas recaíram sobre um serial killer, que sempre negou esse crime. Mas a recente descoberta de dois corpos começa a lançar dúvidas sobre essa explicação, colocando o próprio Alex como possível autor do crime. Sob vigilância cerrada, Alex vê-se obrigado a fugir, não só para provar a sua inocência, mas sobretudo para descobrir a verdade acerca da sua mulher.

Este filme foi-me recomendado por uma sr.ª francesa ligada ao meu trabalho e não fiquei desiludida com o que vi. É um filme bem estruturado, que prende do inicio ao fim e com algumas reviravoltas interessantes. Um filme onde nada é o que parece, onde todas as respostas vão ser encontradas, na maioria das vezes de forma muito bem pensada, para um final doloroso mas sublime.

I am legend

A grande surpresa de 2007. Penso que para muitos dispensa apresentações. Encontra-se nos nossos cinemas desde 27 de Dezembro de 2007. Para os que não conhecem fica aqui o trailer.



Robert Neville (Will Smith) é um cientista brilhante, mas nem mesmo ele conseguiu deter um mortal e incurável vírus criado pelo Homem. Sendo de alguma forma imune, Robert é agora o último sobrevivente do que resta da cidade de Nova Iorque e, talvez, do mundo. Por três anos, Neville tem desesperadamente tentado contactar outros possíveis sobreviventes via rádio, nunca perdendo a fé. Mas ele não está só. Vítimas mutantes da praga - Os Infectados - escondem-se nas sombras... observando cada passo de Neville... esperando que ele cometa o fatal erro. Talvez sendo a última esperança da humanidade ele tem por missão encontrar uma maneira de desfazer os efeitos do vírus usando o seu próprio sangue, mesmo sabendo que está sozinho e com o tempo a escassear. (www.cinema.ptgate.pt)

Este filme tem gerado alguma controvérsia: há quem goste muito e há quem não goste nada. E quanto a mim, há aqueles que gostam de dizer mal por dizer. Enfim. Há ainda quem faça comparações com 28 Days later, como não vi este último não posso fazer julgamentos desse tipo.
Na minha humilde opinião, i am legend tem um argumento válido, cenários muito bem conseguídos, NY abandonada a 3 anos, Will Smith, como nos habituou, no seu melhor e Bob Marley como banda sonora.

"Don't worry about a thing,
'Cause every little thing is gonna be all right.
Singin': "Don't worry about a thing,
'Cause every little thing gonna be all right!"

Gostei muito das analogias feitas entre o passado e o presente, para explicar o processo que levou a situação em questão.
Contudo... porque pode não haver um "mas", em vez disso um "contudo", considero o final demasiado precipitado, não introduzindo certas cenas que eu consideraria interessantes e importantes para o desfecho.

Deixei para o fim o melhor do filme, a Samantha, a pastor Alemã que o acompanha o dr. Robert naqueles 3 anos de solidão. Deixo a seguir a parte, que para mim foi a mais tocante do filme mas também a mais sublime, em que a Sam, criada com todo respeito, carinho e atenção é capaz de dar tudo pelo seu dono, a qualquer preço, nem que esse preço seja a própria vida. Não digo mais. AVISO A QUEM NÃO VIU O FILME QUE ESTE VIDEO REVELA UMA PARTE IMPORTANTE DO FILME.



Uma nota final, a "Marley", a filha do Dr. Robert Neville (W.S.) no filme é realmente filha de Will Smith na vida Real.

6 comentários:

Don't worry, be happy disse...

Muito bom e muito bem escrito.... :)

Istari disse...

sim senhora, com criticas destas, quem precisa da Premiere ;) olha, fiquei ainda com mais curiosidade para ver o I Am Legend, e, com vontade de ver o Ils. O ultimo filme que fui ver ao cinema foi o Call Girl, e, digo-te, deverias ir vê-lo. Nos spots televisivos abusam do erotismo e das cenas de nudez, que apesar de existirem no filme, não são assim tão importantes e sistemáticas como eles fazem crer. Gostei bastante do filme, tem uma história real, em que nós acreditamos, as personagens são bem construídas e um elenco de luxo, e, só tenho mesmo é muita pena que para se convencerem os portugueses a ver filmes portugueses, tenha que se por sempre a Soraia Chaves nua, pois os 2 únicos filmes portugueses, que eu fui ver, em, que para minha surpresa estava sessão quase esgotada foi... O Crime do Padre Amaro e Call Girl. É pena, mas pode ser que assim, aos poucos e poucos, o preconceito se vá desvanecendo e o pessoal comece a descobrir que afinal até temos filmes bons.

***Gui*** disse...

Oi linda!
Muito obrigada pela visita!
Espero que as coisas más que te aconteceram já sejam águas passadas e que estejas bem...
Adorei a maneira como falaste dos filmes...nunca consigo fazer uma descrição tão detalhada de nada :)
Beijokitas doces ***

*.*Indi Bijus*.* disse...

Legal as dicas de filme, aliás você é quase uma escritora. Não recebi minha prendinha ainda, que ganhei ano passado em seu blog. =/

Beijos

maria ferreira disse...

oi paxa no meu blog tenho la um desafio docinho
bjokas

filipa disse...

Eu vi... e concordo com aquilo que dizes! :) Gostei bastante! O fim.. pois, podia ser diferente... Beijoca***