domingo, 24 de fevereiro de 2008

Feira do Livro Mercado Ferreira Borges - Porto 08-24 Fev. 08

Porto, 10.02.2008

LER é uma das coisas que mais gosto de fazer, como tal, aproveitei a bela tarde de sol, a companhia, peguei no mini e lá fui passear para a baixa do Porto e visitar a Feira do Livro do Mercado Ferreira Borges.

NT- Não voltar de salto alto para centros históricos!!!

Comprei por 5€ um romance que a muito queria ler por ter lido o anterior (Visto do Céu - Alice Sebold) e ter gostado. Sorte Parecia-me ainda mais interessante. Aproveitei, uma vez que no mercado se encontra a 18€!!!

A capa do livro tem esta frase que de certa forma explica o livro mas, na minha opinião, de uma forma um pouco errada.

“No túnel onde fui violada, um túnel que outrora fora a entrada subterrânea de um anfiteatro, onde actores irrompiam para cima e para a frente, situado por debaixo dos assentos da multidão, uma rapariga fora assassinada e desmembrada. A polícia contou-me essa história. Comparada com ela, disseram, eu tinha tido muita sorte...”


Esta frase conduz em erro por que a dita rapariga que fora "assassinada e desmembrada" no mesmo local é referida na página de introdução ao livro e não mais ficamos a saber. A ideia que esta frase me deixou é que o caso auto-biográfico, relatado pela escritora, fora levado a cabo pela mesma pessoa, ou pelo menos, que os dois casos estavam relacionados mas é pura ilusão.

Mas este pormenor não tira a excelência ao livro. Devorei compulsivamente as 328 páginas em poucas noites.

Alice Sebold cumpriu a promessa que fez a si própria no túnel onde, caloira universitária, foi violada aos 18 anos: evocar, em livro, essa experiência que, apesar do tempo já passado, tem pontuado o seu viver. Trata-se de um relato que agarra o leitor, não apenas pelas emoções transmitidas, mas também pela convicção profunda de que a justiça ainda é possível. Além de ficarmos a conhecer a personalidade indomável dessa jovem que um dia sonhou ser vedeta, Sorte relata-nos ainda, em linguagem mordaz e emocionante, o crime que mudou, mas não afundou, a mulher em que Alice veio a transformar-se. O importante, para ela, foi, de facto, manter a calma e a lucidez e lutar por uma vida normal, ou seja, fazer com que o inferno e a esperança conseguíssem conviver na palma da sua mão. O caso, arquivado por falta de provas, foi reaberto seis meses mais tarde, quando, ocasionalmente, ela se cruzou com o violador na rua. É, então, que se inicia o longo caminho que domina este thriller da vida real. Sorte já foi editado, com sucesso, em mais de vinte países.

O primeiro capítulo retrata, cronologicamente, a violação, etapa por etapa. Este relato é tão realista, tão pormenorizado que ficamos logo doentes com esta história, com um ódio por crimes deste género, muitas vezes impunes, por este homem, sua frieza, falta de princípios e de respeito. Queremos vê-lo acusado , julgado e preso! Este primeiro capitulo é muito forte e realista já que mexe com os nossos sentimentos, sobretudo, nós mulheres. Uma violação é sempre um crime horrendo, sobretudo quando praticado deste forma e com tal desdém pelo ser humano. Não consegui tirar os olhos do livro todo capítulo.

Por que é que nós mulheres somos sempre vitimas deste tipo de crimes??? Fala-se na igualdade entre sexos, apologia da mulher, etc. e na prática somos sempre as visadas quando toca a falta de respeito pelos direitos do Homem... subjugadas, sem o direito a palavra, a escolha, menorizadas, ridicularizadas,...

Este livro trouxe a tona uma parte obscura da minha vida e da vida de quase todas as mulheres... em algum momento da nossa vida já nos sentimos todas "violadas", talvez não literalmente mas de alguma forma... usadas, calcadas, ridicularizadas, consideradas inferiores,... E nesta fase da minha vida ouso falar em igualdade de oportunidades neste país dito desenvolvido, onde uma mulher num cargo de chefia é bem mais do que uma utopia!

Nos capítulos seguintes, Alice fala de como voltou a vida depois de acontecimento deste género. O caso, arquivado por falta de provas, foi reaberto seis meses mais tarde, quando, ocasionalmente, ela se cruzou com o violador na rua.

Os capítulos seguintes relatam a forma como a sua vida vai se afundando: drogas, sexo, solidão, perca de valores, falta rumo... De que forma um acontecimento como este deixam marcas que nem o tempo apagam. Um facto curioso que já tinha encontrado noutro livro auto-biográfico "Nação Prozac" (o livro, não o filme) que para mim foi um desafio ler. Como é que as pessoas são capazes de ir buscar forças onde nem sequer imaginavam tê-las, no caso da Alice de levar o julgamento em diante contra o seu violador mesmo sobe risco de ser apontada; e no caso de "Elisabeth Wurtzel", de resistir e lutar contra a depressão; para depois se deixar afundar no mundo das drogas, do sexo, da perca de princípios e de valores??? Não entendo.
Para os amantes de Danielle Steel, há ainda o livro "O meu filho Nick Um raio de Luz", que relata a vida do próprio filho da Danielle Steel, vitima de uma doença mental que após uma longa luta, aquando atinge o sucesso desejado na carreira de músico acaba por se suicidar...
As minhas compras não ficaram por aqui.



Ainda "comprei" estes 2 livros: Dicionário dos sonhos de Richard Craze - já é o segundo livro técnico sobre sonhos que tenho. Sou uma pessoa que sonha muito e que pensa demasiado. Fascina-me tentar perceber o que quero dizer a mim própria e o poder dos sonhos sobre a nossa própria vida. E O Kámasutra para Mulheres - A via para a satisfação sensual e saúde da mulher moderna porque o saber não ocupa lugar!

2 comentários:

Don't worry, be happy disse...

Compraste o livro dos sonhos compraste.... diz antes.. ofereceram-mo.. :p

=)
************************************

mes BiJOUX à MOI disse...

olha e por que é que achas que pus comprei entre ""!?!